A GRAVIDEZ PASSO A PASSO

O parto

A experiência de dar a luz é diferente para cada mulher. Muitas mulheres são hábeis em lidar com o trabalho de parto apenas usando técnicas de controle da dor aprendidas no curso de gestantes. Outras mulheres podem requerer o uso de medicações ou anestesia além das técnicas aprendidas em cursos para gestantes, ou no momento do parto.

 

Este é um momento muito emocionante para o casal. Estando bem preparados, vocês dois compartilharão a alegria e o milagre do nascimento, sabendo que vocês estarão dando para o seu filho o melhor começo possível na vida.

 

O trabalho de parto provavelmente é o estágio mais aguardado da gravidez.

 

Por volta da 40ª. Semana de gestação, a maioria das mulheres recebe bem a idéia de dar a luz, embora um pouco de nervosismo seja normal.

 

Talvez para estas futuras mamães, a melhor maneira definir o trabalho de parto seja como uma mistura de esforço físico intenso, dor e alegria indescritível.

 

Lembre-se de confiar em si mesma, na equipe médica e nas capacidades de seu corpo. Este é um importante aspecto do trabalho de parto e do processo de nascimento.

 

Indo para a Maternidade

 

Na maioria das vezes, após a internação, a gestante é submetida a alguns preparos determinados pelo médico. Esses preparos consistem na raspagem dos pelos pubianos (tricotomia), lavagem intestinal e instalação de soro com medicamentos. Esses procedimentos não são obrigatórios, mas são freqüentes.

 

Primeiro estágio do trabalho de parto

 

Inicia-se com contrações regulares (de 5 em 5 minutos) e termina com a dilatação completa do colo uterino. A duração desse primeiro estágio varia muito de mulher para mulher, mas é normal um espaço de 12 a 18 horas para uma mulher que vai dar à luz pela primeira vez, e de 6 a 12 horas para uma mulher que já teve pelo menos um filho antes.

 

Ao iniciar o primeiro estágio, a cabeça do bebê começa a descer. As fortes contrações do útero dilatam o colo gradualmente e as membranas se rompem. Ao terminar primeiro estágio, o colo do útero apresenta sua dilatação máxima: 10 cm.

 

Segundo estágio do trabalho de parto

 

Começa quando o colo uterino atinge sua dilatação máxima e termina com a saída completa do bebê. Nesta fase, você sentirá uma sensação de pressão sobre a região perineal.

 

As contrações uterinas, conjugadas ao esforço da mãe, empurram o bebê para a vagina. Esse segundo estágio não costuma demorar mais que 2 horas. Em geral é bem mais curto a partir do segundo filho. A parte mais demorada é a passagem da cabeça do bebê (resto do corpo sai em menos de um minuto).

 

Terceiro estágio do trabalho de parto

 

Começa imediatamente após o nascimento da criança e termina com o desprendimento da placenta e sua saída pela vagina. Isso ocorre de 3 a 5 minutos após o parto.

 

Indução do trabalho de parto

 

Chama-se indução, a administração de medicamentos com o objetivo de provocar o início o trabalho de parto. Esse procedimento somente é utilizado quando necessário e depois de realizada uma avaliação médica criteriosa.

 

Condução do trabalho de parto

 

É a utilização de medicamentos com o objetivo de corrigir ou reforçar as contrações de um trabalho de parto iniciado espontaneamente. Esse procedimento é realizado em determinadas circunstâncias, tais como: quando as contrações permanecem distanciadas umas das outras ou param completamente (na presença de dilatação do colo do útero); quando a bolsa já se rompeu e o trabalho de parto não começou espontaneamente, etc.

 

Tipos de Parto

 

  • Parto Normal: A expulsão do bebê ocorre somente com a pressão que as paredes do útero exercem sobre o mesmo. Normalmente, em um parto normal, é realizada a episiotomia, que consiste em um corte cirúrgico feito na região perineal para auxiliar a saída do bebê e evitar rotura dos tecidos perineais. A sutura é feita imediatamente após o parto e cicatriza em poucos dias. Na maior parte dos casos, é necessário dar alguma anestesia para diminuir as dores e garantir a segurança da mãe e do bebê.

 

  • Parto Fórceps: parto via vaginal no qual se utiliza um instrumento cirúrgico semelhante a uma colher, que é colocado nos lados da cabeça do bebê para ajudar o obstetra a retirá-lo do canal de parto.

 

  • Parto Cesariano: é a retirada cirúrgica do bebê. Esse procedimento é realizado quando mãe ou bebê apresentam algumas situações de risco, tais como: sofrimento fetal; alteração do batimento cardíaco do bebê; problemas com o funcionamento ou posicionamento da placenta; eclampsia ( hipertensão materna grave); infecção ativa de herpes genital; bebê muito grande; posicionamento incorreto do bebê; gravidez de gêmeos, etc.

 

Tipos de Anestesia

 

  • Anestesia Local Perineal: É realizada apenas na área da episiotomia. É utilizada para parto normal.

 

  • Bloqueio Espinhal: Pode ser Raqui, Peridural e Analgesia Peridural.

 

Raqui promove o bloqueio sensitivo e motor, ou seja, a paciente deixa de sentir e movimentar as pernas e o baixo ventre. Esse tipo de anestesia proporciona um relaxamento maior da região pélvica e sua instalação é mais rápida.

 

Peridural promove os mesmos tipos de bloqueio que a raqui, porém a sua instalação é mais lenta.

 

Analgesia Peridural promove apenas o bloqueio sensitivo, ou seja, a paciente deixa apenas de sentir a dor das contrações uterinas.

Clínica Jardim
Av. Getúlio Vargas, 473
Centro - Estância - Sergipe
Atendimento
Ligue e agende sua consulta
(79) 3522-0234 ou (79) 99986-1676
Segunda a Sexta das 6:30h às 19:00h

Obs.: Os textos e os artigos publicados no site Clínica Jardim não devem ser utilizados com finalidade diagnóstica ou terapêutica. Consulte o seu médico regularmente.