Clinica Jardim
Avenida Getúlio Vargas, 473
Estância - Sergipe - Brasil
Tel. (79) 3522-0234

 

A

 

ABORTAMENTOInterrupção de uma gestação com menos de 20 semanas, ou com o bebê pesando menos que 500g.

 

ABORTO –É o produto eliminado de dentro de um útero grávido (feto e placenta).

 

ACONSELHAMENTO GENÉTICO - Consulta com especialista em medicina fetal sobre defeitos genéticos e sobre a possibilidade da presença ou ocorrência de problemas genéticos numa gravidez.

 

ADERÊNCIAS - Tecidos que podem se fixar nas trompas, impedindo a sua movimentação e dificultando o processo de captação dos óvulos. Também pode referir-se ao processo de formação de traves na cavidade uterina, agora denominada de sinéquias.

 

AGENESIA – Ausência de determinada estrutura ou órgão.

 

AGENTES TOCOLÍTICOS - Medicamentos para deter o trabalho de parto.

 

AMEAÇA DE ABORTO - Perda sanguínea acompanhada ou não por cólicas em fase precoce da gravidez.

 

AMENORRÉIA - Ausência de menstruação.

 

AMNIOCENTESE - Coleta de líquido de bolsa amniótica, que é examinada para pesquisar se há algum defeito genético ou imaturidade pulmonar fetal.

 

AMNIORREXE- Ruptura da bolsa amniótica ocasionando a perda de líquido amniótico.

 

AMNIORREXE PRECOCE- Ruptura da bolsa amniótica após de 37 semanas de gestação, porém antes do início do trabalho de parto.

 

AMNIORREXE PREMATURA- Ruptura da bolsa amniótica antes de 37 semanas de gestação.

 

ANENCÉFALO – Feto que não possui calota craniana.

 

ANDROGÊNIO - Hormônio que estimula a atividade dos órgãos sexuais masculinos acessórios e promove o desenvolvimento das características sexuais masculinas. Também é produzido em pequenas quantidades em indivíduos do sexo feminino.

 

ANEMIA - Qualquer condição na qual o número de células vermelhas do sangue está menor do que o normal. O termo se aplica à concentração do material que transporta oxigênio no sangue.

 

ANEMIA FISIOLÓGICA DA GRAVIDEZ - Anemia durante a gravidez causada por um aumento na quantidade de plasma (líquido) no sangue, em relação ao número de células sanguíneas.

 

ANENCEFALIA - Desenvolvimento cerebral incompleto, combinado com a ausência dos ossos que circulam o cérebro.

 

ANOMALIA FETAL - Malformação fetal ou desenvolvimento anormal.

 

APNÉIA - Parada de respiração.

 

APRESENTAÇÃO CEFÁLICAPosição normal do feto (bebê de cabeça). A cabeça entra primeiro no canal de parto.

 

APRESENTAÇÃO CÓRMICAPosição anormal do feto (bebê atravessado). Os ombros entram primeiro no canal de parto, antes da cabeça.

 

APRESENTAÇÃO PÉLVICAPosição anormal do feto (bebê sentado). As nádegas ou pernas entram primeiro no canal de parto, antes da cabeça.

 

AZOOSPERMIA - Ausência de espermatozóides no esperma.


B

 

BANCO DE SÊMEN - Espermatozóides congelados ou criopreservados são armazenados para uso em inseminação artificial ou em situações de doação de sêmen.

 

BEBÊ A TERMO - Bebê nascido com 37 a 42 semanas de gestação.

 

BEBÊ ATRAVESSADO - Posição anormal do feto (bebê atravessado). Os ombros entram primeiro no canal de parto, antes da cabeça.

 

BEBÊ NA POSIÇÃO SENTADA - Posição anormal do feto. As nádegas ou pernas entram primeiro no canal de parto, antes da cabeça.

 

BIÓPSIA - Retirada de um pequeno pedaço de tecido para estudo microscópico.

 

BIÓPSIA DO ENDOMÉTRIO – Obtenção de células da camada de revestimento interno do útero através de procedimento médico (feito até mesmo no consultório). Geralmente é utilizada para avaliar os efeitos hormonais nos casos em que há suspeita de deficiência da fase lútea ou de infertilidade ou abortos repetitivos.

 

BLASTOCISTO - Fase do desenvolvimento do embrião, também chamado de embrião pré-implantacional. Será implantado na mulher após 6-7 dias da fertilização.

 

BLASTÓCITO - Embrião com cerca de cinco dias após a fertilização.

 

BOLSA AMNIÓTICA - Bolsa que envolve o bebê dentro do útero. Contém o bebê, a placenta e o líquido amniótico.

 

BOLSA ROTA - Rotura das membranas que protegem o feto.

 

BOLSA ESCROTAL - É uma bolsa externa de pele e músculo que contém os testículos. É uma extensão do abdômen e está localizado entre o pênis e o ânus. A função da bolsa escrotal, é manter os testículos a uma temperatura inferior à do resto do corpo (34.4º C), pois o calor excessivo pode destruir os espermatozóides. Devido à presença de músculo, o escroto tem a capacidade de se contrair e relaxar, conforme seja necessário.

 

BROMOCRIPTINA - Droga usada para tratar a elevação nas taxas de prolactina (hormônio da hipófise responsável pela produção do leite materno) que podem resultar em infertilidade e amenorréia. A prolactina pode ter a sua produção aumentada nos casos de tumores hipofisários, como efeito colateral ao uso de alguns medicamentos, após traumas no peito e após a colocação de implantes de seios.


C

 

CANAL CERVICAL - Parte mais baixa do útero, interior do colo uterino, que se estende para dentro da vagina. Dilata-se durante o trabalho de parto para permitir a passagem do bebê.

 

CARIÓTIPO - Avaliação dos cromossomos para número, tamanho e forma. Anormalidades podem gerar abortos recorrentes, amenorréia primária e baixo número de espermatozóides.

 

CATÉTER - Equipamento descartável extremamente flexível utilizado para transferir os pré-embriões ou gametas para o interior da cavidade uterina.

 

CAVIDADE PERITONEAL - Cavidade abdominal.

 

CESÁREA - Nascimento de um bebê por meio de uma incisão abdominal e não pela vagina.

 

CICLO MENSTRUAL - O ciclo menstrual de uma mulher começa no 1º dia em que ela sangra e vai até o último dia antes da próxima menstruação. Num ciclo normal, a menstruação demora de 28 a 30 dias para aparecer, e dura, em média, de três a oito dias para ir embora. O que determina a quantidade do fluxo é o tamanho do útero, a quantidade de endométrio (revestimento interno do útero) e a quantidade dos hormônios estrogênio e progesterona produzidos pelo ovário. O ciclo menstrual é regido por uma série de alterações hormonais, que funcionam controladas por várias glândulas: hipotálamo, hipófise, ovários, adrenal e tiróide. Qualquer alteração nesta cadeia de glândulas pode levar a mulher a ter alterações na menstruação. O ciclo pode ser dividido em fases: a fase folicular (primeiros 14 dias) e a lútea (últimos 14 dias), que tem como divisão a ovulação.

 

CICLO OVARIANO - Produção regular de hormônios no ovário, em resposta a mensagens hormonais vindas das várias glândulas que controlam o ciclo menstrual.

 

CIRCLAGEM - Cirurgia cuja finalidade é de saturar de forma circular o colo uterino para evitar sua dilatação precoce e a ocorrência de abortamentos. Tem indicação nos casos diagnosticados de incompetência ístmico-cervical, onde a causa do abortamento é uma deficiência estrutural do colo do útero.

 

CISTOS - Estruturas de forma ovóide, constituídas por um saco sem orifício de abertura, contendo no seu interior um fluido, e que podem aparecer em cavidades, tecidos e órgãos do corpo humano.

 

CITRATO DE CLOMIFENO - Droga muito utilizada no tratamento da infertilidade. Funciona ligando-se aos receptores de estrógeno, bloqueando-os e “enganando” o cérebro, de modo a fazê-lo “pensar” que não há mais estrógeno disponível. Isto resulta em uma maior secreção de FSH pela hipófise, o que estimula células especializadas no ovário a produzir mais estrógeno, hormônio necessáio para a ocorrência da ovulação. A taxa de gêmeos nesses casos é de aproximadamente 10% devido aos altos níveis de FSH, o que gera mais óvulos.

 

CLAMÍDIA - Bactéria que causa uma doença sexualmente transmissível (DST) que pode levar a obstrução das tubas uterinas, impedindo a fertilização do óvulo. É responsável por mais de 50% das doenças inflamatórias pélvicas.

 

CLIMATÉRIO – Período que vem antes e depois da menopausa. Caracteriza-se pela ocorrência dos sintomas decorrentes da falência ovariana progressiva.

 

COITO PROGRAMADO - Realização do ato sexual em determinado horário, ou seja, no momento da ovulação.

 

COLO DO ÚTERO - Parte mais baixa do útero que se estende para dentro da vagina. É o colo que se dilata durante o trabalho de parto para permitir a passagem do bebê.

 

CONTAGEM DE ESPERMATOZÓIDES - O número de espermatozóides em uma ejaculação. Também chamada concentração de espermatozóides e expressa como o número de espermatozóides por mililitro.

 

CONTRAÇÃO - Compressão coordenada e dolorosa do útero, a qual tem a função de empurrar o bebê para fora durante o parto. No período que antecede o trabalho de parto (fase de latência), ocorre de maneira pouco dolorosa e com uma freqüência baixa (poucas vezes ao dia). Durante o trabalho de parto, torna-se mais forte, provocando mais dor e aumenta a sua freqüência para uma a cada 5 minutos (momento ideal para procurar a maternidade).

 

CORDÃO UMBILICAL - Cordão que liga a placenta ao bebê. É composto por duas artérias e uma veia. Tem a função de levar sangue oxigenado e nutrientes da mãe para o bebê.

 

CORPO LÚTEO – Pequeno cisto que se forma no ovário após a ovulação, e que tem a finalidade de produzir o hormônio progesterona. A progesterona ajuda a preparar o revestimento uterino (endométrio) para a implantação do embrião. Ele surge como um pequeno cisto no ovário e regride se a gravidez não ocorrer. Caso a mulher engravide, o pequeno cisto permanece no ovário e assume a produção da progesterona durante as 12 a 16 primeiras semanas de gravidez. Após este período, a placenta assume a produção do hormônio. Quando o corpo lúteo não é formado, o risco de ocorrer abortamento é muito grande (o exame que faz o diagnóstico da insuficiência lútea é uma ultra-sonografia chamada doppler do corpo lúteo). Neste caso, a mulher terá que receber a progesterona sob a forma de remédio, para evitar o risco de perder o bebê.

 

CURETAGEM - É um procedimento cirúrgico utilizado em obstetrícia para retirar os restos de um aborto de dentro do útero. Em ginecologia, a curetagem também pode ser utilizada para recolher amostras do endométrio ou para o tratamento de hemorragias.

 

CURVA DE TEMPERATURA BASAL - Registro da temperatura da mulher (todas as manhãs, ao acordar e sempre na mesma hora), com vistas à identificação das alterações hormonais que representam a ovulação (quando a mulher ovula, a temperatura do seu corpo geralmente aumenta 10C).


D

 

DEFICIÊNCIA DA FASE LÚTEA – Também chamada de insuficiência lútea, ocorre quando a camada de revestimento uterina (endométrio) falha em seu correto desenvolvimento após a ovulação, perdendo a capacidade de fixar o óvulo fecundado. A causa deEsta condição é tratada com progesterona ou com medicamentos indutores de ovulação (veja também corpo lúteo).

 

DESCOLAMENTO DA PLACENTA - Quando a placenta se separa prematuramente do útero. Pode ocasionar hemorragia e risco de vida para a mãe e para o bebê. Geralmente ocorre após contusões abdominais, pressão alta etc.

 

DESENVOLVIMENTO FOLICULAR - Crescimento do(s) folículo(s) que geralmente é acompanhado por exame de ultra-sonografia trans-vaginal.

 

DIAGNÓSTICO GENÉTICO PRÉ-IMPLANTACIONAL - Diagnóstico genético realizado a partir da aspiração de um ou mais blastômeros de um pré-embrião ou do primeiro corpúsculo polar do ovócito, obtido por FIV (fertilização in vitro), através de micromanipulação. Pode ser feito em nível gênico por técnicas de biologia molecular (PCR – Reação da Cadeia de Polimerase) ou em nível citogenético (FISH – Hibridização in situ pela fluorescência).

 

DILATAÇÃO - Abertura ou distensão do colo do útero durante o nascimento do bebê.

 

DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA (DIP) - Infecção do trato reprodutivo superior ( por gonoréia, clamídia) incluindo as tubas uterinas (salpingite), ovários (ooforite), útero (endometrite) que ascende do trato reprodutivo baixo (vagina). Quando não tratada corretamente, pode causar obstrução das trompas e infertilidade.

 

DOENÇAS GENÉTICAS - Dividem-se em dois grupos: As cromossômicas, detectadas no mapeamento cromossômico do feto e os chamados distúrbios monogênicos, comuns em gestantes com idade acima de 35 anos. Os distúrbios monogênicos podem ser detectados em exames, geralmente solicitados pelo obstetra, a gestantes que apresentam doenças ligas ao sexo. Os exames também são indicados para casais portadores de translocações cromossômicas, mulheres que tenham filhos com cromossomopatias (síndrome de Down, entre outras doenças), ou ainda, que tenham tido filhos com malformação.


E

 

ECOGRAFIA – Sinônimo de ultra-sonografia.

 

EIXO HIPOTÁLAMO-HIPÓFISE - Estrutura anatômica entre regiões do cérebro e da glândula hipófise que tem a função de regular todo o sistema hormonal.

 

EJACULAÇÃO - Expulsão do líquido (sêmen) que contém os espermatozóides.

 

EJACULAÇÃO RETRÓGRADA - É uma condição clínica em que os espermatozóides não são ejaculados para a direção normal (ou seja, para fora do corpo) e reflui para a bexiga urinária. Isto pode ocorrer apesar da sensação de ejaculação. Pode ser devida a uma variedade de razões: diabetes, lesões cirúrgicas nos nervos da bexiga urinária, efeitos colaterais de várias drogas incluindo anti-hipertensivos como alfa bloqueadores. A exposição à urina é altamente tóxica aos espermatozóides! Alcalinização da urina com bicarbonato de sódio pode ajudar a proteger os espermatozóides.

 

EMBRIÃO - Termo usado para descrever os estágios iniciais do crescimento fetal, a partir da concepção até a oitava semana de gravidez.

 

ENDOMÉTRIO - Membrana que reveste o interior da parede uterina. O seu desprendimento mensal ocasiona o sangramento menstrual.

 

ENDOMETRIOMA - Também designados por “cistos de chocolate” são cistos que se encontram unidos ao ovário e que contêm tecidos do endométrio. Geralmente medem entre 1 cm e 10 cm e são característicos da endometriose.

 

ENDOMETRIOSE - Doença comum na mulher, em que a camada que reveste o útero (endométrio) descama e pode se implantar em outras áreas (cavidade peritoneal, ovários, tubas uterinas, bexiga, ureter, reto e vagina) causando reações inflamatórias ou aderências. É responsável por 20 a 30% de casos de infertilidade duradoura, geralmente em mulheres com mais de 25 anos de idade.

 

ENDOMETRITE - Infecções do endométrio causadas geralmente por bactérias de transmissão sexual ou pós-curetagem (micoplasma, clamidia, listeria) ou, em casos menos freqüentes, devido a infecções persistentes pelo parasita protozoário toxoplasma ou pelo vírus do colo uterino HPV (vírus do papiloma humano). Estas infecções impedem a implantação e podem provocar abortamento.

 

ENJÔO MATINAL - Náusea ou vômito, com mal-estar, encontrado principalmente durante o primeiro trimestre de gravidez. Ocorre mais freqüentemente pela manhã devido ao jejum noturno (estômago vazio).

 

ESPÉCULO - Aparelho usado no exame ginecológico para que possa ser visualizado o colo do útero, popularmente chamado de “bico de pato”.

 

ESPERMA - É um líquido esbranquiçado que se elimina pela uretra (canal no interior do pênis que também transporta a urina) durante a ejaculação.O sêmen é o resultado de uma mistura de secreções originadas nos testículos, onde se produzem os espermatozóides, com as secreções da próstata, vesículas seminais e glândulas bulbo retrais. Normalmente, cada centímetro cúbico de sêmen contém milhões de espermatozóides, embora a maior parte do volume do sêmen seja formado pelas secreções das glândulas do aparelho reprodutor masculino (principalmente próstata e vesículas seminais).

 

ESPERMATOZÓIDE - Célula reprodutora masculina; o gameta masculino.

 

ESPERMOGRAMA - Exame laboratorial que avalia no sêmen ejaculado o: • volume • pH • viscosidade • tempo de liquefação • a concentração • a mobilidade • a morfologia • a resistência dos espermatozóides • as infecções • a presença de anticorpos.

 

ESTERILIDADE - Uma condição irreversível que impede a concepção.

 

ESTIMULAÇÃO OVARIANA - Uso de medicamentos que têm como finalidade produzir um número maior de folículos pelo ovário.

 

ESTRADIOL – Um dos tipos de estrógeno. Hormônio feminino fabricado pelos ovários.

 

ESTRIAS - Áreas da pele que estão esticadas. Muitas vezes encontradas no abdômen, seios nádegas e pernas.

 

ESTRÓGENO - Hormônio esteróide produzido pelos ovários desde o início da puberade até a menopausa que estimula o desenvolvimento das características sexuais secundárias femininas e controla o curso do ciclo menstrual. Também é produzido em pequenas quantidades em indivíduos do sexo masculino.


F

 

FALSO TRABALHO DE PARTOContração do útero sem dilatação do colo uterino.

 

FERTILIZAÇÃO - Penetração do espermatozóide no óvulo, originando o embrião. Normalmente ocorre dentro da tuba uterina (in vivo), mas também pode ocorrer em uma placa de Petri (in vitro). (veja também Fertilização In Vitro).

 

FERTILIZALÃO IN VITRO (FIV) - A FIV é o procedimento mais amplamente utilizado nos distúrbios da fertilidade, particularmente problemas de tubas uterinas e deficiências dos espermatozóides. A FIV é um processo de quatro etapas. Na primeira delas, o hormônio folículo-estimulante (FSH) é utilizado para estimular o crescimento do maior número de óvulos possível. Tal desenvolvimento múltiplo aumenta as chances de fertilização e de gravidez. Na segunda etapa, o hCG é usado para estimular a liberação dos óvulos maduros, que são coletados dos ovários, por via vaginal, utilizando-se uma agulha fina visualizada por ultra-som. Na terceira etapa, os óvulos são transferidos para uma placa no laboratório, na qual são colocados juntamente com os espermatozóides para que ocorra a fertilização. Na etapa final, alguns óvulos fertilizados ou embriões são transferidos para o interior do útero.

 

FETO - Refere-se ao bebê não nascido depois das 9 semanas de gestação até o parto.

 

FIBROMA – Também chamado de mioma, é um tumor benigno (não-maligno e que não determina risco de vida) de tecido fibroso que pode ocorrer na parede uterina. Pode ser totalmente sem sintomas ou causar padrões menstruais anormais ou infertilidade.

 

FÍMBRIAS - Porção final das tubas uterinas que ajuda na captação do óvulo para o ovário após a ovulação.

 

FIMBRIOPLASTIA - Procedimento cirúrgico que abre uma constrição da porção final das tubas uterinas.

 

FOLÍCULO - Estrutura preenchida de líquido localizada na superfície do ovário na qual o óvulo em maturação (oócito) cresce. O folículo produz estrógeno até a liberação do óvulo e depois transforma-se no corpo lúteo, passando a fabricar progesterona.


G

 

GAMETAUma célula reprodutiva. O espermatozóide em homens, o óvulo em mulheres.

 

GÊMEOS DIZIGÓTICOS - Gêmeos advindos de dois óvulos diferentes. Muitas vezes chamados de gêmeos fraternos.

 

GÊMEOS MONOZIGÓTICOS - Gêmeos gerados a partir de um mesmo óvulo, também chamados de gêmeos idênticos.

 

GENÓTIPO - Constituição genética determinada pelos alelos de um organismo. Em geral o termo é sinônimo de genoma. O genótipo é a constituição genética de uma característica observada ou proteína, enquanto que os traços macroscópicos visíveis representam o fenótipo.

 

GÔNADA - Ovário (na mulher) ou testículo (no homem).

 

GONADOTROFINA CORIÔNICA HUMANA (HCG) - Hormônio produzido no início da gravidez que tem a função de manter o corpo lúteo produzindo progesterona. É o principal causador dos enjôos característicos do início da gravidez. Também é usado através de injeção para desencadear a ovulação, nos tratamentos de fertilidade, sendo utilizado também em homens para estimular a produção de testosterona.

 

GONADOTROFINA MENOPAUSAL HUMANA (hMG) - FSH e LH extraídos da urina de mulheres menopausadas e então injetados para estimular a ovulação.

 

GONADOTROFINAS - Hormônios que controlam a função reprodutiva: Hormônio folículo-estimulante (FSH) e hormônio luteinizante (LH). Podem ser administrados na forma de injeção para estimular a ovulação. Só devem ser usados sob orientação médica.

 

GONORRÉIA - Doença sexualmente transmissível que pode causar inflamação dos órgãos reprodutivos tanto no homem, quanto na mulher, resultando em infertilidade.

 

GRAVIDEZ ANEMBRIONADA - Gravidez sem embrião.

 

GRAVIDEZ DE ALTO RISCO - Gravidez com maior possibilidade de ocorrência de complicações, exigindo por isso, uma atenção médica especializada.

 

GRAVIDEZ ECTÓPICA - Gravidez que ocorre fora da cavidade uterina trompa, ovário etc.).

 

GRAVIDEZ ESPONTÂNEA - Gravidez que é obtida através de uma relação sexual, sem a utilização de nenhum outro mecanismo facilitador (utilização de remédios etc.).

 

GRAVIDEZ MÚLTIPLA – Gravidez de gêmeos, quando existem dois ou mais fetos na mesma gestação. Acontece mais frequentemente de forma manipulada. É muito raro ocorrer gravidez múltipla natural com mais de três fetos.


H

 

HEMORRAGIA PÓS-PARTOSangramento aumentado após o parto.

 

HEMORRÓIDA - Vasos sanguíneos dilatados no reto ou no canal retal.

 

HIDROCELE - Acumulação congênita de líquido na bolsa escrotal.

 

HIDROSSALPINGE - Acúmulo de líquido seroso nas trompas, produzindo a sua distensão. Geralmente ocorre devido a obstrução dos óstios abdominal e uterino de uma ou das duas trompas, em conseqüência de malformações ou processos inflamatórios (mais freqüente).

 

HIPERESTIMULAÇÃO OVARIANA - Condição rara, que ocorre quando muitos folículos crescem e causam distensão abdominal, desconforto, náuseas, e algumas vezes dificuldade para respirar. Ocorre como complicação dos tratamentos de estimulação ovariana com medicamentos indutores da ovulação. Em casos extremos torna-se necessária a hospitalização.

 

HIPERPLASIA DO ENDOMÉTRIO - Quando por alteração hormonal ou infecção crônica, o endométrio aumenta a sua espessura. Pode ocasionar sangramentos menstruais intensos.

 

HIPERPROLACTINEMIA – Aumento da produção de prolactina, O hormônio responsável pela produção do leite materno. Pode causar infertilidade e é tratada com bromocriptina (nome genérico).

 

HIPÓFISE - Glândula mestre situada na base do cérebro. Secreta FSH, LH, prolactina e TSH (Hormônio Estimulador da Tireóide).

 

HIPOGONADISMO - Função ovariana ou testicular inadequada, demonstrada pela baixa produção de espermatozóides ou pela ausência da produção do folículo, assim como por níveis baixos ou ausentes de FSH e LH.

 

HIPOPLASIA DO ENDOMÉTRIO - Quando por deficiência hormonal ou mutações genéticas dos receptores para a progesterona e estrogênio, o endométrio não se desenvolve até uma espessura ideal de 12 a 14mm (mínimo de 6mm), na época da implantação, o que aumenta a chance de ocorrer abortamento.

 

HIPOTÁLAMO - Área no cérebro responsável pela liberação de GnRH (bem como de outros hormônios liberadores).

 

HISTERECTOMIA – Intervenção cirúrgica para retirar o útero.

 

HISTEROSALPINGOGRAFIA – Exame de RX realizado mediante a injeção um líquido especial (contraste radiográfico) através do colo uterino, de modo a preencher o interior do útero e as trompas. Serve para avaliar se as trompas estão ou não obstruídas, além de examinar a cavidade uterina, verificando a presença de pólipos ou miomas submucosos.

 

HISTEROSCOPIA - Exame visual do útero, usando um instrumento chamado histeroscópio, que possibilita ao médico olhar dentro do órgão através de uma câmera de vídeo, sem fazer nenhuma incisão. Através dela, pode-se fazer a remoção de tecidos feridos, endométrio espessado, pólipos, miomas submucosos ou outras afecções, sem a necessidade de cirurgia abdominal.

 

HORMÔNIOS - Substâncias químicas específicas fabricadas pelo sistema endócrino, liberadas e transportadas pelo sangue ou por outros fluídos corporais. A sua função é exercer uma ação reguladora (ativadora ou inibidora) em outros órgãos ou regiões do corpo.


I

 

IMPLANTAÇÃOA inserção do embrião no interior do tecido de modo que ele possa estabelecer contato com o suprimento de sangue da mãe para sua nutrição. A implantação usualmente ocorre na camada que recobre internamente o útero; no entanto, em uma gravidez ectópica, pode ocorrer em outro local do corpo.

 

IN VITRO - Expressão em Latim que significa “no vidro”. Refere-se ao termo em Inglês “IVF” ou fertilização in vitro, ocorrendo em um tubo de vidro de laboratório chamado “proveta”.

 

INDUÇÃO DA OVULAÇÃO - Estimulação dos ovários utilizando medicamentos ou hormônios, objetivando a ocorrência da ovulação (veja também hiper-estimulação ovariana).

 

INFERTILIDADE - A incapacidade de conceber após um ano de relações sexuais não protegidas (seis meses se a mulher tem mais de 35 anos de idade).

 

INFERTILIDADE PRIMÁRIA - Infertilidade em pessoas que nunca tiveram filhos.

 

INFERTILIDADE SECUNDÁRIA - Infertilidade em pessoas que já tiveram filhos.

 

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL - A inseminação artificial é o processo de introdução dos espermatozóides diretamente no interior da vagina ou no útero. Geralmente é indicada para casais com infertilidade masculina, como baixo volume de sêmen, baixa concentração ou mortalidade diminuída dos espermatozóides. Mas a inseminação artificial também pode ser utilizada para tratar casos de infertilidade feminina, como problemas do muco cervical ou fatores imunológicos. É um procedimento relativamente simples e indolor, realizado no consultório médico.

 

INSUFICIÊNCIA OVARIANA - A incapacidade do ovário de responder à estimulação do FSH proveniente da hipófise, devido a lesão ou malformação do ovário, ou a uma doença crônica, tal como uma doença auto-imune. É diagnosticada por FSH elevado no sangue.


L

 

LAPAROSCOPIATécnica cirúrgica na qual o médico opera sem abrir o abdômen da paciente. Toda a cirurgia é realizada através da captação de imagens de vídeo obtidas a partir de uma microcâmera existente na ponta de um fino tubo introduzido no abdômen.

 

LAPAROTOMIA - Incisão (“corte”) cirúrgico realizado através do abdômen, de aproximadamente 4 a 6 polegadas de extensão, que permite a direta visualização das estruturas reprodutivas.

 

LAQUEADURA DAS TROMPAS - Ligadura cirúrgica das trompas de falópio, de modo a impedir a gravidez.

 

LÍQUIDO AMNIÓTICO - Líquido que circunda o bebê dentro da bolsa amniótica. É fabricado, principalmente, a partir da urina fetal.


L

 

MENOPAUSA – Data da última menstruação e que marca o fim da vida reprodutiva da mulher (menacme). Ocorre quando não há mais oócitos nos ovários.

 

MENSTRUAÇÃO - Fluxo periódico ou regular de um líquido sanguíneo proveniente do útero.

 

MIOMA - Tumor benigno (não-maligno e que não determina risco de vida) de tecido fibroso que pode ocorrer na parede uterina. Pode ser totalmente sem sintomas ou causar padrões menstruais anormais ou infertilidade.

 

MIOMECTOMIA – Intervenção cirúrgica para retirar mioma.

 

MONITORAMENTO FETAL - Uso de instrumentos eletrônicos para registrar os batimentos cardíacos do bebê.

 

MUCO CERVICAL - A abertura do útero para a vagina é chamada de cérvice (colo uterino). Ela produz uma secreção (muco) que normalmente é espessa, mas se “afina” durante o período de ovulação, possibilitando a passagem dos espermatozóides da vagina para o útero.

 

MULTÍPARA – Mulher que já teve mais de 03 partos.


N

 

NATIMORTO – Bebê que já nasceu sem vida, em conseqüência de morte ainda dentro do útero.

 

NULIGESTA – Mulher que nunca engravidou.

 

NULÍPARA – Mulher que nunca pariu.


O

 

OLIGOHIDRAMNIA – Redução do volume do líquido amniótico na cavidade amniótica (onde está o bebê).

 

OLIGOMENORRÉIA - Intervalo entre ciclos menstruais de 6 semanas a 6 meses. Comum no início da menstruação em meninas. Associada com ovários policísticos e com infertilidade.

 

OLIGOSPERMIA - Quantidade menor que 20 milhões de espermatozóides.

 

OÓCITO - Ovo ou óvulo que é produzido no ovário.

 

OOFORECTOMIA – Intervenção cirúrgica para retirar os ovários.

 

OVÁRIOS POLICÍSTICOS – Doença caracterizada pela presença de microcistos ovarianos encontrados na periferia dos ovários, associada a alterações do ciclo menstrual ou, em alguns casos, a ausência de menstruação, podendo estar associada a aumento de pelos e obesidade. Pode ocasionalmente dificultar a gestação.

 

OVÁRIOS - Par de glândulas sexuais femininas onde os óvulos são armazenados e onde o estrógeno e a progesterona são produzidos.

 

OVULAÇÃO - Produção cíclica de um óvulo proveniente do ovário, normalmente ocorrendo no meio do ciclo menstrual.

 

ÓVULO - Célula sexual feminina produzida pelos ovários. Após a fecundação, o óvulo passa a chamar-se zigoto.


P

 

PARTO NATURAL – Modalidade de parto no qual o nascimento do bebê ocorre através de sua saída pela vagina.

 

PARTO PREMATURO – Parto no qual o bebê nasce antes de 37 semanas de gestação.

 

PARTO PRÉ-TERMO – Parto no qual o bebê nasce entre 34 e 37 semanas de gestação.

 

PÊNIS - Órgão sexual dos indivíduos do sexo masculino, que contém os canais dos aparelhos urinário e genital que comunicam com o exterior do corpo. É, portanto, um órgão com uma função dupla: na reprodução e na excreção da urina.

 

PLACENTA - Órgão que fica dentro do útero, ligado ao bebê pelo cordão umbilical. Essencial durante a gravidez para o crescimento e desenvolvimento do embrião e do feto.

 

POLIPECTOMIA – Intervenção cirúrgica para retirar pólipo.

 

PÓLIPO - Tumores benignos que se fixam na cavidade uterina e no colo do útero por uma haste ou pedículo. Os pólipos endometriais causam freqüentemente hemorragias e podem impedir a gravidez ou causar abortamento.

 

PRIMIGESTA – Mulher que está grávida pela primeira vez.

 

PRIMÍPARA – Mulher que está parindo pela primeira vez.

 

PROBLEMA CONGÊNITO - Problema presente no nascimento.

 

PROGESTERONA - O hormônio produzido pelo corpo lúteo durante a segunda metade do ciclo menstrual. Ele espessa a camada de revestimento interno do útero a fim de prepará-la para aceitar a implantação de um ovo fertilizado.

 

PROLACTINA - Hormônio da hipófise que estimula a produção de leite materno.

 

PRÓSTATA - Glândula masculina que produz parte do fluído que transporta os espermatozóides. Infecções podem reduzir a qualidade dos espermatozóides (prostatite).

 

PUNÇÃO - Aspiração do líquido de um folículo ovariano (que contém o óvulo), com vista à posterior fecundação e inseminação artificial. O procedimento é realizado através da vagina, utilizando-se uma agulha e ultra-sonografia para localizar o folículo no ovário.


R

 

REDUÇÃO EMBRIONÁRIA – Desvitalização de embriões para que os restantes se desenvolvam normalmente. É uma hipótese para casos de gestações múltiplas.

 

ROTURA DA BOLSA - Ruptura da bolsa amniótica ocasionando a perda de líquido amniótico.


S

 

SALPINGECTOMIA – Intervenção cirúrgica para retirar as trompas.

 

SALPINGOSTOMIA – Intervenção cirúrgica para desobstruir as trompas.S

 

SÊMEN – Fluído que confere nutrientes e transporte para os espermatozóides. É produzido na vesícula seminal, próstata e glândulas adjacentes à uretra.

 

SÍNDROME DOS OVÁRIOS POLICÍSTICOS - Doença caracterizada pela presença de microcistos ovarianos encontrados na periferia dos ovários, associada a alterações do ciclo menstrual ou, em alguns casos, a ausência de menstruação, podendo estar associada a aumento de pelos e obesidade. Pode ocasionalmente dificultar a gestação.


T

 

TESTÍCULO – Gônada sexual masculina dos animais sexuados produzindo as células de fecundação chamadas de espermatozóides (os gametas masculinos).

 

TESTOSTERONA - O hormônio masculino responsável pela formação de características sexuais secundárias e que dá suporte à estimulação sexual. A testosterona também é necessária para a espermatogênese (desenvolvimento dos espermatozóides).

 

TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES - Colocação de um ovo, que foi fertilizado fora do útero, no interior do útero ou da tuba uterina de uma mulher.

 

TROMPAS – Estrutura canalicular que liga o útero aos ovários. É através dela que os espermatozóides passam para encontrar o óvulo e fecunda-lo. O ovo fecundado também passa por ela até chegar ao útero. A obstrução das trompas é uma das causas mais comuns de infertilidade.


V

 

VAGINA – Órgão sexual feminino dos mamíferos, parte do aparelho reprodutor que consiste num pequeno canal que se estende do colo do útero à vulva.

 

VARICOCELE - Varizes existentes na bolsa escrotal. Provoca diminuição da qualidade do sêmen e é causa de infertilidade masculina.

 

VASECTOMIA - Esterilização do homem feita por uma cirurgia que remove parte dos dutos deferentes.

 

VÍDEO-HISTEROSCOPIA - Exame visual do útero, usando um instrumento chamado histeroscópio, que possibilita ao médico olhar dentro do órgão através de uma câmera de vídeo, sem fazer nenhuma incisão. Através dela, pode-se fazer a remoção de tecidos feridos, endométrio espessado, pólipos, miomas submucosos ou outras afecções, sem a necessidade de cirurgia abdominal.

 

VÍDEO-LAPAROSCOPIATécnica cirúrgica na qual o médico opera sem abrir o abdômen da paciente. Toda a cirurgia é realizada através da captação de imagens de vídeo obtidas a partir de uma microcâmera existente na ponta de um fino tubo introduzido no abdômen.

 

VULVA - Vulva é a parte externa do órgão genital feminino. Externamente pode ser revestida por pêlos púbicos. É constituída pelos grandes lábios, pequenos lábios, clitóris, abertura da uretra e abertura da vagina.


Z

 

ZIGOTO – Oócito fertilizado formado pela fusão do óvulo com o espermatozóide.